sábado, 30 de abril de 2016

Pensamento positivo: Conclusão




Como vos disse aqui para incorporar um hábito na minha vida pratico-o durante um mês e depois concluo se mantenho esse hábito ou não.


Como correu o mês do pensamento positivo?


Foi a primeira vez que pratiquei um hábito em público, o que requereu mais responsabilidade e empenho, mas correu bastante bem! Nas minhas hesitações antes de iniciar o blog, às vezes pensava "E se ninguém vai ler?" ou "Quem é que se interessa pelos hábitos que pratico?", nada positivo, eu sei. Por isso podem imaginar a minha alegria, quando ultrapassei as 1500 visualizações e quando alguns de vocês começaram a praticar hábitos comigo. 

Durante este mês contei-vos como correu o meu pensamento positivo semanalmente (semana 123 e 4). O meu objectivo não era ser perfeita e mostrar que só tinha pensamentos positivos, mas sim dizer-vos sinceramente o que estava a acontecer.


A minha opinião sobre o pensamento positivo após praticá-lo


O pensamento positivo requer algum esforço inicial, pelo menos para quem não está habituado a reparar no que passa pela cabeça durante o dia, dia após dia, que era o meu caso. 

Antes desta prática deixava a cabeça andar à solta e muitas vezes os pensamentos negativos tomavam conta do meu estado de espírito e da minha vida. Passei demasiados dias com preocupações, medos, ressentimentos com coisas passadas. 

Ao estar mais consciente dos meus pensamentos consegui limpar aquelas ervas daninhas e passei a ter muitos dias de pensamentos positivos em que andei inspirada, com a cabeça focada em projectos que quero concretizar e a apreciar o momento presente.

Não é um hábito que se pratica um mês e já está, como num passe de mágica só vamos ter pensamentos positivos daqui para a frente. É uma prática constante que se vai tornando mais fácil com o treino.


Vou continuar a praticar o pensamento positivo?


Decididamente que sim. 

Cansei-me de ser dominada pelo medo e preocupações, quero continuar a cuidar do jardim da minha mente e mantê-lo com plantas bonitas e benéficas.



E vocês têm vontade de iniciar/continuar o pensamento positivo?




sexta-feira, 29 de abril de 2016

Semana #4: Como correu o pensamento positivo



Hoje é dia de fazer o balanço semanal. 

Segundo os meus quadradinhos, tive:
  • 4 dias +
  • 2 dias +/-
  • 1 dia -
Curiosamente foi igual à semana 1, quando tudo começou.


Dias +


A maioria dos dias foram positivos, consegui andar focada e inspirada. O meu jardim esteve muito florido, com plantas boas e benéficas.


Dia -


Foi apenas um, mas minou todo o meu jardim. Lembram-se de eu dizer que não íamos deixar entrar as ervas daninhas no nosso jardim aqui?
Pois... Neste dia deixei os portões do meu jardim abertos, ou melhor escancarados, e entraram muitas ervas daninhas que minaram o meu jardim. Entraram as preocupações e os meus medos mais profundos. E eu nem fui capaz de fazer nada, fiquei petrificada com pensamentos negativos e repetitivos o dia todo. O que podia ter sido apenas um mau momento, transformou-se num mau dia.


Dias +/-


Foram 2. 

Um dia considerei +/- porque apesar de não ter tido pensamentos negativos, não andei inspirada. Foi um daqueles dias em que fazemos as coisas porque tem de ser e pronto.

O outro dia foi a seguir ao dia -. Levantei-me com os mesmos pensamentos do dia anterior, mas em vez de ficar paralisada de medo, fui arejar a cabeça na minha caminhada e fiz bastante exercício. Normalmente o exercício ajuda-me a pôr as ideias em ordem. Deu-me um trabalhão pôr todas as ervas daninhas fora dos portões novamente e cuidar das minhas plantas boas e benéficas.


Amanhã, vou concluir se o pensamento positivo é um hábito a manter ou não.


E a vossa semana? Espero que tenha sido melhor que a minha.


quarta-feira, 27 de abril de 2016

Meditação



"A meditação ajuda-nos a pôr espaço entre nós e as nossas circunstâncias. A meditação inspira calma. Concentração. Sabedoria. Não sabemos até onde nos levará a nossa prática de meditação antes de a iniciarmos. O segredo é ser persistente."
Rachel Brathen, Yoga Girl 


Em Abril andei a praticar o pensamento positivo, com a companhia de muitos de vocês. Em Maio vou praticar 5 minutos de meditação por dia e convido-vos para se juntarem a mim.

Se pensam que é necessário ser um monge budista e passar dias inteiros na posição de lótus para meditar. Pensem de novo.
Podemos meditar em qualquer lugar, na fila do supermercado, no carro quando o sinal fica vermelho, quando estamos à espera dos transportes...
E podemos sentar-nos num lugar calmo e silencioso, cruzar as pernas e fechar os olhos, é a chamada meditação formal.

Existem várias técnicas de meditação, como o Coração da Rosa, a Meditação Mindfulness, e por aí fora. Escolham a prática que quiserem, o que acham que funciona para vocês.

Já pratico a meditação há alguns anos. Se é verdade que não existem práticas de meditação erradas, a minha atitude nem sempre foi a mais correcta. Muitas vezes sentei-me com o sentimento de vamos lá despachar esta tarefa para poder passar à seguinte. Meditava alguns dias e depois estava semanas sem o fazer.
Ultimamente quando me sento para meditar é com o sentimento de deixar-me ir, não pensar, não nada, só deixar-me estar de olhos fechados.

Agora que resolvi começar um caminho de crescimento interior, a meditação é uma ferramenta bastante importante para dominar a mente.

Vou começar a praticar a meditação de forma mais consistente, durante o mês de Maio, para introduzir esse hábito na minha vida.
A técnica que vou utilizar vem no livro Yoga Girl da Rachel Brathen e consiste em:

  • Procurar um sítio calmo, sem interferências
  • Sentar-me em cima de uma almofada ou de uma manta dobrada (para o rebordo das ancas ficar mais alto do que os joelhos)
  • Programar um alarme para 5 minutos (ter um período de tempo definido ajuda a mente a concentrar-se)
  • Deixar as mãos descansarem nos joelhos, de palmas para baixo
  • Endireitar a coluna e puxar os ombros para trás
  • Fechar os olhos
  • Concentrar-me no ritmo natural da respiração (reparar na expansão e contracção suaves do abdómen. Sentir o fluir do ar através das narinas e as subtis mudanças no corpo a cada respiração)
  • Começar a dirigir a atenção para o pequeno espaço que existe entre as duas fases de respiração (a pausa entre inspirar e expirar e o hiato entre expirar e inspirar)
  • Quando surgirem pensamentos, não julgar nem resistir. Não tentar persegui-los. Vê-los passar.
  • Ver se consigo criar um espaço maior entre cada pensamento, através da consciência da respiração. Ficar aí. Respirar. Estar presente.
  • Quando terminar os 5 minutos, juntar as mãos ao centro, em frente ao coração e incluir tudo e todos por que tenho de agradecer na vida.
  • Repetir para mim própria o mantra mais sagrado de todos: obrigada, obrigada, obrigada.
  • Sorrir e abrir os olhos

O objectivo é aumentar gradualmente o tempo em que fico sentada em silêncio, até me sentir confortável a meditar durante 20 minutos por dia. Vai ser um projecto a longo prazo, começo em Maio com 5 minutos, no mês seguinte com 10 minutos, depois com 15, até chegar aos 20 minutos lá para Agosto.


Se acham que 20 minutos do vosso dia é muito, pensem no tempo que estão em frente à televisão ou no computador e substituam apenas 20 minutos desse tempo pela meditação.

Vamos meditar?


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Dica para pensar positivo #4: Deixa a vida fluir



"Esta mulher sentia que se debatera a vida toda para se manter à superfície, porque estava a lutar contra algo dentro dela. Algumas pessoas estão sempre a fazê-lo. (...) Mas, apesar de esta mulher se debater, lá bem no fundo, ela sabia que iria perder o combate. Por isso, quando lhe sugeri que ela parasse de agitar as pernas, compreendi qual a diferença entre os que se afogam e os que flutuam. No exacto momento em que nós desistimos de lutar com a água, temos de ter fé nela - deitarmo-nos para trás e deixá-la levantar-nos."
Daniel Gottlieb, Cartas Para Sam 


Ouvi uma vez numa entrevista, não me lembro de quem, o entrevistado a dizer "Temos tantos planos para a vida, que nos esquecemos que a vida nos mostre os planos que tem para nós". E desde aí, isto está sempre na minha cabeça.

Demasiadas vezes os nossos dias são passados a correr, com tarefas urgentes, com tarefas e prazos que impomos a nós próprios, com planos e objectivos muito difíceis de atingir. E depois sentimo-nos frustrados porque não conseguimos ser super-homens/mulheres e fazer tudo. E quando damos conta passam semanas, meses e anos nesta correria, a arfar de cansaço e com a sensação que não completámos nada de importante.

Demasiadas vezes sentimo-nos irritados porque as pessoas não agem como nós achamos que deveriam agir, porque os acontecimentos não acontecem como nós queremos.

De vez em quando é necessário parar, olhar para o céu e ver as nuvens a passar. Deixar a vida fluir, passar por nós lentamente. Olharmos para o nosso interior e respirar profundamente, olhar para os nossos filhos e "vê-los" crescer, olhar para a pessoa que amamos e decorar-lhe os traços, desfrutar da companhia da nossa família e dos nossos amigos...

É necessário pararmos de querer controlar o que não tem controlo, e deixarmo-nos levar ao sabor da vida. Afinal a vida vai acontecer, mesmo se não planearmos todos os nossos passos. 

O sol vai continuar a nascer e a pôr-se todos os dias, a água vai continuar a correr, a vida vai continuar a acontecer.

Deixa-te ir...




sábado, 23 de abril de 2016

Sugestão dos leitores #4


Para este fim de semana alargado (pelo menos para alguns), deixo-vos a sugestão da Helena Ribeiro para sentirmos gratidão 



"Se tens uma família que te ama, alguns bons amigos, comida na tua mesa e um tecto sobre a tua cabeça. És mais rico do que pensas."




sexta-feira, 22 de abril de 2016

Semana #3: Como correu o pensamento positivo




É dia de balanço... (tambores)


Esta semana segundo os meus quadradinhos tive:
  •  6 dias +
  • 1 dia +/-
Muito melhor que a semana 1 e a semana 2.


Mas não pensem que foi uma semana com tudo a correr sobre rodas, sem chatices nem contratempos, muito pelo contrário. 
Tive um problema de pele que se transformou numa queimadura...na cara. Tive de lidar com um centro de saúde que não funciona e com uma funcionária muito pouco profissional e antipática. 
Mas mesmo assim, consegui manter o meu jardim florido, ser atendida pelo dito centro de saúde no próprio dia e ser simpática para a dita funcionária (não sem alguma ironia, é verdade, mas vá).

O dia +/- foi devido à medicação, andei todo o dia tipo zombie, sem energia para nada. Acho que nesse dia estava tão dormente que não tive pensamentos positivos nem negativos. Por isso, considerei um dia +/-.

Antes desta história do crescimento interior, esta semana teria sido um verdadeiro inferno. Provavelmente teria passado dias mal disposta e mal encarada, muito provavelmente tinha-me passado da cabeça com a dita funcionária e ficaria a remoer o assunto por vários dias e tinha contaminado negativamente tudo e todos.

Mas não... Permaneci positiva e contente. Parece que sempre está a crescer qualquer coisa cá dentro.

E vocês? Tiveram uma boa semana? Já sabem que gosto de saber tudo...






quinta-feira, 21 de abril de 2016

Como faço o meu caldo verde sem batata





Quando alterei a minha alimentação, os três primeiros meses foram os mais restritivos, como vos disse aqui. Não podia comer batatas, pois têm muito amido e consequentemente um elevado índice glicémico. O que se revelou no início como uma dificuldade, tornou-se uma descoberta. Alterei algumas receitas e até aprendi a gostar de nabo cozido, coisa que era impensável para mim há uns anos atrás.

Eu gosto muito de caldo verde, é uma sopa tipicamente portuguesa, acho que é muito reconfortante e uma boa maneira de comer mais hortaliças. Então, nas minhas experiências culinárias, substitui a batata pela courgette e o resultado é muito bom... tão bom que agora que já posso comer batatas, continuo a preferir o caldo verde com courgette. Fica mais leve. Quando como caldo verde fora de casa já me parece estranho, muito farinhento.
Eu não como chouriço, mas quem puder e quiser é só adicionar.

Assim decidi partilhar convosco a minha receita de caldo verde, mas antes vejam os benefícios das courgettes e das couves.


Benefícios das courgettes

 

  • Ricas em pró-vitamina A
  • Fonte de vitamina C e ácido fólico
  • Boa fonte de betacaroteno
  • São ligeiramente diuréticas e laxantes
  • Têm acção anti-cancerígena



Benefícios das couves 


  • Revitalizam e reequilibram o sistema nervoso
  • Desinfectam e purificam o sangue
  • Podem ajudar a aliviar úlceras gástricas
  • Boa fonte de vitamina C
  • São boas para os diabéticos visto que têm poucos hidratos de carbono e são ricas em vitaminas e oligoelementos
  • Ajudam no tratamento das vias respiratórias
  • Estimulam o organismo visto serem ricas em arsénico, que funciona como tónico
  • Estimulam a produção de anticorpos, tornando o sistema imunitário mais eficiente
  • Têm acção anti-cancerígena


Receita de caldo verde sem batata

 

Porções: 6 pessoas

Dificuldade: Fácil

Ingredientes:

  • 2 courgettes médias
  • 1 cebola grande
  • 3 dentes de alho
  • 200 g de couve cortada para caldo verde (pode ser couve portuguesa, galega...)
  • 1 litro de água
  • Sal qb
  • Pimenta qb
  • Azeite
  • Rodelas de chouriço (opcional)


Versão Bimby

 

Preparação:

  1. Colocar no copo as courgettes e a cebola cortadas em pedaços, os alhos, a água e o sal. Colocar a Varoma por cima com a couve e programar 30 min/Varoma/vel. 1
  2. Quando terminar o tempo verificar se as couves estão cozidas (se não estiverem, programar mais alguns minutos à mesma velocidade e temperatura)
  3. Retirar a Varoma, adicionar o azeite e a pimenta, colocar o copo de medida por cima da tampa e programar 1 min/aumentar gradualmente a velocidade até à vel. 7. Rectificar os temperos e se estiver muito espesso, adicionar mais água
  4. Retirar o líquido para as tigelas e adicionar as couves e o chouriço


Versão Tradicional

 

Preparação:

  1. Colocar na panela as courgettes e a cebola cortadas em pedaços, os alhos, a água e o sal. Cozer em lume médio até estar tudo cozido.
  2. Adicionar o azeite e a pimenta.
  3. Passar a sopa com a varinha. Rectificar os temperos e se estiver muito espesso, adicionar mais água.
  4. Adicionar as couves e o chouriço e deixar cozer, mexendo ocasionalmente
  5. Quando as couves estiverem cozidas, retirar para as tigelas.

Fontes:
Dracea A (1999) Coma e cure-se. Bodywell Lda, Estoril. 395 pp.
Sanders T et al.  (1997) Alimentos bons, alimentos perigosos. Selecções do Reader's Digest, Lisboa.400pp.


quarta-feira, 20 de abril de 2016

Inspiração para pensar positivo #4


(Tradução em baixo)



"Pensamentos transformam-se em acções.
Acções transformam-se em hábitos.
Hábitos transformam-se na tua vida.
Pensa bem para viveres bem."
Doe Zantamata



segunda-feira, 18 de abril de 2016

Dica para pensar positivo #3: Chá de alecrim



A dica de hoje pode parecer estranha, o que é que o chá de alecrim tem a ver com o pensamento positivo? Vou explicar tudo.

Nós somos os únicos animais que se desligaram tanto da natureza, que desaprendemos a viver em sintonia com ela. Todos os outros animais além de viverem completamente integrados no seu ambiente, não o prejudicam e sabem quais as plantas benéficas e quais devem evitar. Por exemplo, a planta Oenanthe crocata, também conhecida como Arrebenta-Bois, é uma planta tóxica e é evitada pelos animais.

Para nós tornou-se mais fácil ir à farmácia e tomar um comprimido ou xarope para tudo e mais alguma coisa. Atenção que não sou contra medicamentos, acho que são muito úteis nalgumas ocasiões, mas em situações simples como, por exemplo, uma dor de garganta, ou uma constipação, existem alternativas mais saudáveis e naturais de que por vezes nos esquecemos.


Benefícios do alecrim


  • É benéfico para o cérebro: Contém uma substância que favorece o neurotransmissor acetilcolina, aumentando o tempo de permanência desta substância no cérebro antes de ser desactivada. Pessoas senis e pessoas portadoras de Alzheimer, possuem deficiência dessa substância.
  • Contém substâncias antioxidantes que podem ajudar as células no combate aos radicais livres e prevenir o envelhecimento das células
  • É rico em cálcio
  • Pode ajudar no combate a bactérias, fungos e vírus. Um chá de alecrim alivia sintomas de gripes, constipações, bronquites e asma
  • Actua como anti-inflamatório
  • Possui taninos que agem como tónico digestivo
  • Mascar folhas de alecrim pode ajudar na cicatrização de aftas e outras feridas na boca, além de ajudar nas gastrites e úlceras do estômago

Mais benefícios aqui.


Como é que o alecrim está relacionado com pensamento positivo?


O alecrim também é conhecido como a "erva da alegria". O chá de alecrim acalma a mente e estimula o corpo, ajudando a afastar as tensões e o stress. Além disso, possui propriedades tonificantes, estimulantes e energéticas quando aplicado sobre a pele.

  • Chá de alecrim
Ferver a água e colocar um ramo de alecrim, deixar em infusão durante 15 minutos e depois beber.

  • Banho de alecrim
Devido às propriedades energéticas, este banho deve ser tomado de manhã e não à noite, senão não dormem.

1. Colocar vários ramos numa panela com um litro de água e deixar ferver por 20 minutos. 
2. Deixar arrefecer até uma temperatura agradável para a pele.
3. Retirar os ramos e colocar num recipiente bonito
4. Se o banho for de chuveiro é só deitar o líquido morno sobre a cabeça e deixar escorrer pelo corpo. Se o banho for de banheira, basta juntar o líquido morno à água da banheira.

Experimentem e depois digam-me.


Fontes:
Feldman A (2005) Enxaqueca - Finalmente uma saída. Editora Livros do Brasil, Lisboa. 244 pp.
Benefícios do chá de alecrim. Disponível em: <http://www.baudasideias.net/saudebeleza/beneficios-cha-de-alecrim/>. Acesso em: 18/04/2016


sexta-feira, 15 de abril de 2016

Semana #2: Como correu o pensamento positivo



Ora bem, hoje é dia de fazer o balanço.

Pelas minhas contas tive:
  • 3 dias +
  • 2 dias +/-
  • 2 dias -

Não foi tão bom como a semana passada, mas isto não é uma coisa estática, o que importa é andar consciente do que se passa cá dentro, e se possível alterar. 
Apesar de não ter sido uma semana muito rica em pensamentos positivos, foi bastante produtiva em crescimento interior, mas já lá vamos.


Dias +


Na maioria dos dias os pensamentos foram bons. A carta da Lia, os vossos comentários e mensagens bem que me ajudam a manter-me positiva. E nos outros dias, consegui pensamentos positivos sem nenhuma razão externa, cá dentro o jardim estava florido.


Dias -


Foram dois.

Um dia porque tinha coisas que queria fazer e não estava a conseguir, estava a fugir ao meu controlo. É uma das coisas que tenho de trabalhar, não querer controlar tudo.

O segundo dia aconteceu porque andei a fazer uma introspecção. Sabem que é mais fácil ver 10 defeitos noutra pessoa que 1 em nós próprios... e mesmo assim, ainda conseguimos arranjar justificação para esse defeito, o nosso claro.
Quando me fazem uma crítica construtiva, e essa crítica provém de pessoas que eu respeito e admiro. Perco algum tempo a pensar no que foi dito e a ver como posso melhorar. Mas nem sempre é fácil reconhecer que não estamos a ir pelo melhor caminho e que temos de voltar atrás e escolher outro. Foi por isso que considerei um dia -, apesar de ter crescido cá dentro. 


Dias +/-


Tive dois dias assim. Foram a "ressaca" dos dias anteriores.


E foi assim a minha semana! 

Espero que a vocês tenha corrido melhor. Já sabem que gosto de saber como vos correu, usem os comentários.


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Inspiração para pensar positivo #3


Hoje a inspiração para pensar positivo é budista.

Temos tanto para aprender uns com os outros, independentemente da religião, país, crenças... É por isso que é tão importante cultivarmos uma mente aberta.





terça-feira, 12 de abril de 2016

Como fazer o dia dos nossos amigos mais feliz




Eu e a Lia somos amigas há muito tempo como vão ver mais à frente, com o meu regresso ao Facebook (passados 4 anos) por causa do blog, foi a primeira pessoa por quem procurei. Desde aí ela tem seguido o blog "ao minuto" como ela diz. E foi comentando aqui e ali que graças ao blog não tinha voltado a desistir de fazer exercício e começou a fazer uma refeição vegetariana por semana lá em casa.

Eu pedi-lhe um pequeno texto a dizer como o blog a tinha inspirado, para pôr ali no cantinho dos leitores. O que eu tinha em mente era qualquer coisa do tipo "Este blog inspirou-me a não desistir do exercício e a fazer uma refeição vegetariana por semana". Mas como sempre ela superou todas as minhas expectativas, ela não escreveu um simples testemunho, mas sim toda uma carta de amizade.

Decidi publicar o que ela escreveu, tal como me enviou. E surgiu-me a ideia de vos sugerir que digam aos vossos amigos, aqueles mesmo do peito, o que a amizade deles significa para vocês. Seja pessoalmente, por mensagem ou, porque não, através de carta. Garanto-vos que vão tornar o dia de alguém mais feliz. Eu ando a sorrir desde ontem.

E agora a carta de amizade que eu recebi:

"COMO O BLOG UM HÁBITO DE CADA VEZ MUDOU A MINHA VIDA

Já conheço a Carla Ribeiro desde 1998, dito desta forma até assusta o tempo que já passou… Conhecemo-nos no Instituto Superior de Agronomia (ISA) e desde essa data que somos amigas, mas daquelas amigas mesmo, daquelas que podem estar 4 anos sem se ver que quando se reencontram parece que estiveram no dia anterior a beber um cházinho juntas no café da esquina.
Foi mesmo isso que aconteceu, por circunstâncias da vida perdemos o contacto. Com as novas tecnologias as agendas deixaram de existir e o telemóvel onde tinha o seu número morreu para a vida levando com ele a única forma de poder contactar a Carla. É que nem com o facebook podia contar porque a Carla se desligou desse mundo.
É aqui que entra o Blog “Um hábito de cada vez”, graças ao seu blog, a Carla voltou às redes sociais e procurou por mim. Quantas vezes eu pensei nela durante estes quatro anos…  Assim que vi a sua mensagem e trocamos números de telefone liguei-lhe e falamos horas ao telefone. Na verdade pareceu-nos que ainda ontem tínhamos estado no ISA numa qualquer aula de Matemática III (AHAHAH).
A Carla apareceu numa altura da minha vida em que estava a precisar de falar com uma amiga. A minha vida profissional seguiu um caminho bem diferente do que eu sempre sonhei e nesta fase estava mesmo a precisa de um ouvido AMIGO.
Aceitei o desafio da Carla e comecei a seguir o seu blog, identifiquei-me com muitas das ideias dela e era deste clique que eu precisava para mudar algumas coisas na minha vida. Era este o empurrão que me faltava. Posso confessar que foi graças ao blog que nessa semana não desisti das minhas 2 caminhadas semanais que estavam a ser um sacrifício, e agora são um momento de prazer, reflexão e contemplação. Comecei também a fazer semanalmente uma refeição de comida vegetariana, não que queira abolir a carne e o peixe da ementa lá de casa, mas neste caso quero dar a conhecer aos meus filhos novas texturas e sabores de forma saudável. Passado 2 semanas o balanço é positivo estamos todos a gostar ;)
Todas estas alterações na minha vida foram possíveis devido ao pensamento positivo e à minha reflexão sobre o que realmente importa na vida. Quem me conhece sabe perfeitamente que sou uma pessoa muito positiva e que não baixo os braços, mas em alguns momentos a nossa cabeça leva-nos para caminhos mais obscuros e é fundamental saber sair deles. Antes do blog nem pensava nisso, mas agora dou por mim a “corrigir os meus pensamentos”, a tentar ver sempre o lado positivo do que nos acontece de menos bom. Nem sempre é fácil, mas com treino e com ajuda conseguimos. "



segunda-feira, 11 de abril de 2016

Dica para pensar positivo #2: Deixa de viver no passado




Desde que comecei a estar mais consciente do que penso, reparei que muitos dos meus pensamentos referem-se a situações do passado, e não sou a única, alguns de vocês já me disseram o mesmo. Ou porque nos sentimos injustiçados; ou porque nos sentimos culpados; ou até porque nos sentimos revoltados com situações que aconteceram.

Por muito que nos custe admitir tudo o que aconteceu no passado, teve de acontecer. Não há quantidade de culpa, remorso, revolta ou raiva que mudem um segundo sequer do passado.
Por isso, temos de aprender a aceitar o passado e fazer as pazes com ele, para conseguirmos viver em paz no momento presente.


Aprender a perdoar


Para deixarmos ir o passado temos de perdoar os outros e sobretudo a nós próprios.

Só aprendi a perdoar a sério há pouco tempo, quando li que perdoar não significa aceitar o que aconteceu, significa que nos desligamos das coisas negativas que envenenam a nossa vida. É um pouco como aquele ditado que diz que o que mata não é a mordida da cobra, mas sim o veneno que lá fica. Temos que extrair esse veneno mesmo que não aceitemos a mordida da cobra.

Na realidade nem precisamos de estar perante outra pessoa para a perdoar, basta perdoarmos no nosso interior. Deixem ir. É preciso perdoar para o nosso próprio bem.


O que fazer na prática


No meu dia a dia, quando reparo que estou a pensar no passado, não me recrimino nem faço juízos de valor. Respiro fundo e digo a mim própria "Carla, estás a viver no passado", depois concentro-me no momento em que estou. Por exemplo, se estiver na rua, olho para o céu e vejo as nuvens a passar, vejo as pessoas, o local onde estou e concentro-me nisso. 

O objectivo é estar consciente do pensamento e alterá-lo.


Para quem está muito apegado


Para quem está muito apegado a situações que ocorreram no passado, a minha sugestão é: Tirem algum tempo para "chafurdar" no passado, mas atenção aproveitem que vai ser a última vez que o fazem. 
Escrevam num papel tudo o que aconteceu e que vos faz sentir mal, chorem, sintam pena... o que quiserem. Quando se sentirem preparados usem todo o dramatismo necessário e atirem para o lixo, rasguem ou queimem o papel. A partir desse momento o passado fica onde pertence, no passado. 

A partir desse dia sintam-se livres para viver o momento presente.

Se acharem que é demasiado e que não conseguem lidar com as situações sozinhos, peçam ajuda. Seja de um amigo, seja terapia ou aconselhamento, peçam ajuda. Todos nós temos o direito de viver bem, sem tormentos, recriminações ou raiva.

sábado, 9 de abril de 2016

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Semana #1: Como correu o pensamento positivo




Hoje é dia de balanço semanal.

Segundo os meus quadradinhos tive:
  • 4 dias +
  • 2 dias +/-
  • 1 dia -
Não foi nada mal para primeira semana.

Ao estar mais consciente dos meus pensamentos, observei que é como se fosse um céu cheio de estrelas, existem muitos pensamentos que parecem estrelas cadentes passam rápido quase sem darmos conta, existem outros que são como as constelações, em que vamos unindo os pontos até ficar com uma imagem clara e existem outros ainda que são como estrelas polares, instalam-se na nossa mente e permanecem ali.


Dias +


O facto de pesquisar sobre pensamento positivo aqui para o blog e receber as vossas sugestões, comentários e mensagens de apoio, ajuda muito a manter-me positiva. Na maioria dos dias os pensamentos foram bons.


Dias -


Foi só um. Foi um daqueles dias em que me senti tão pequenina num universo tão grande. Nestes dias as minhas inseguranças e falta de confiança em mim própria vêem à tona e ainda não consigo transformar isso e permanecer positiva.
Mas ao contrário do que fazia antes, que julgava-me a mim própria por me sentir assim e não tratava os outros da melhor forma porque me sentia mal por dentro, desta vez deixei-me estar sossegada no meu canto. Reconheci que me sentia assim, que a culpa não era de ninguém, que era uma coisa minha e passei o dia sem me julgar e sem chatear ninguém.


Dias +/-


Tive dois dias assim. 
  • Um dia foi porque não consegui lidar com uma situação de forma tão airosa quanto gostaria e reagi mal, com raiva...nada positivo. Mas não deixei que isso contaminasse o resto do meu dia e por isso considerei um dia mais ou menos.
  • No outro dia foi a seguir ao dia - e apesar de não ser tão mau como o dia anterior, ainda não foi tão bom que o considerasse +. Foi uma espécie de ressaca do dia anterior vá.

E foi assim a minha semana! 

E vocês conseguiram estar mais conscientes dos vossos pensamentos? Como correu a vossa semana de pensamento positivo? Usem os comentários, quero saber tudo.




quinta-feira, 7 de abril de 2016

Um ano de estilo de vida mais saudável: o que mudei na minha alimentação?



Faz hoje um ano que mudei a minha alimentação, bem para ser sincera não foi só a alimentação, foi o meu estilo de vida. Mas hoje vou falar da alimentação.


Como era antes da alteração?


Antes de fazer esta mudança a minha preocupação era fazer refeições baratas e ao gosto cá de casa.
  • Já lá vai o tempo em que pensava que o Bongo era adequado para crianças, afinal até vinha numa embalagem com bonecos, certo... Não podia andar mais longe da verdade.
  • Já lá vai o tempo em que a 6ª feira ao jantar era a noite dos hambúrgueres com batatas fritas e coca-cola, afinal merecíamos após uma semana de trabalho stressante e frustrante (e outros -antes).
  • Já lá vai o tempo em que tinha um dia de portar mal e comia um bolo depois do almoço, para compensar manhãs de trabalho difíceis, até que esse dia já eram todos os dias da semana e se calhar havia um dia ou outro em que não comia o dito bolo a seguir ao almoço... afinal havia poucas manhãs de trabalho que não fossem difíceis.
  • Já lá vai o tempo em que nem sequer olhava para os ingredientes do que punha no carrinho de supermercado e apenas me preocupava com os preços.



Porque decidi alterar a minha alimentação?


Ao começar a estudar várias coisas sobre alimentação e a experimentar receitas mais saudáveis, o que me fez tomar a decisão de mudar efectivamente a minha alimentação foi um livro para deixar de ter enxaquecas "Enxaqueca - Finalmente Uma Saída, Dr. Alexandre Feldman".

Vou falar então um pouco sobre as minhas antigas crises de enxaqueca, para compreenderem melhor o que me fez avançar para um estilo de vida mais saudável.

Eu tive enxaquecas desde a escola primária, nessa altura as crises eram pouco intensas e apenas provocadas quando comia certos alimentos. 
Mas essas crises foram-se agravando após a adolescência e há 2 anos atrás atingiram o pico máximo, cheguei a ter enxaquecas durante 3 dias seguidos, que não passavam com medicamento nenhum e andava tipo zombie, só queria estar deitada no escuro, sem ouvir, nem cheirar nada. O meu estômago ficava todo embrulhado e muitas das vezes não conseguia que ficasse nada lá dentro, nem uma simples sopa.

Durante estes anos recorri a ajuda externa: medicina tradicional, homeopatia, naturopatia... até cheguei a usar óculos com lentes prismáticas, porque um médico me disse que as minhas enxaquecas se deviam a um problema de postura... uma "granda" tanga, foi o que foi.
De todas as tentativas que fiz, o que aligeirou um pouco as crises foram os tratamentos de homeopatia e naturopatia, mas não atingi o meu objectivo que era deixar de ter as ditas crises.

Assim, o ano passado, no meio de uma crise valente, em que ao segundo dia só me apetecia arrancar o lado direito da cabeça para não doer, resolvi que tinha de encontrar uma solução. Após várias pesquisas encontrei referências do livro e do trabalho do Dr. Alexandre Feldman, um médico que tem uma clínica em São Paulo, especializada em enxaquecas.
Decidi comprar o livro, afinal já tinha tentado tanta coisa, mal não ia fazer.

É um livro não só para quem tem enxaquecas mas para todos os que querem levar uma vida mais saudável. As crises estão muito bem explicadas, o motivo das crises também e por fim a solução é simples e depende apenas de nós. Sem medicamentos, tratamentos... Basta alterarmos o nosso estilo de vida em termos de alimentação, exercício e sono, é por isso que é para todos e não só para quem sofre de enxaqueca.


O que mudou na minha alimentação?


Os primeiros 3 meses, foram os mais restritivos, pois requeriam uma "limpeza" do nível de açúcar no sangue e restabelecimento do equilíbrio hormonal.

Deixei de comer e beber:
  • alimentos processados (tostas, refrigerantes, basicamente 90% do que se vende nos supermercados...)
  • leite de vaca
  • enchidos e fumeiros
  • estimulantes (café, chá preto ou verde, guaraná, chocolate...)
  • sumos
  • açúcar e adoçantes de todos os tipos
  • mel
  • a maioria dos pães
  • massas e farinhas refinadas
  • farináceos
  • alimentos muito gordurosos e fritos
  • óleos vegetais (excepto o óleo de coco e azeite extra-virgem)
  • margarina
  • gordura vegetal hidrogenada
  • carnes bancas (só se fossem "caseiras", sem antibióticos nem hormonas)
  • marisco
  • aditivos artificiais (corantes, conservantes...)
  • enlatados prontos a comer
  • alimentos com índice glicémico muito elevado

E passei a comer e beber mais:
  • Derivados fermentados do leite (iogurtes, requeijão e queijo fresco)
  • Leites vegetais
  • Pães tipo alemão
  • Azeite extra-virgem e óleo de coco extra-virgem (moderado)
  • Frutas
  • Frutos secos (moderado)
  • Verduras
  • Ervas aromáticas
  • Sementes
  • Carne de animais de grande porte (moderado)
  • Peixe
  • Ovos
  • Legumes
  • Cereais integrais (arroz, aveia, gérmen de trigo...)
  • Leguminosas
  • Temperos naturais


O que mudou em mim?


O que mais me custou foi deixar de comer para me compensar e passar a comer para me alimentar. Vi que comia compulsivamente quando estava nervosa e ansiosa e tive de aprender a viver sem açúcar. Sim essa foi a parte difícil, dar-me conta que era mesmo viciada em doces. No primeiro mês andei tão rabugenta que nem me aturava a mim própria. Mas à medida que o corpo se foi habituando à nova alimentação, deixei de ter essa necessidade urgente e frequente de doces.

Aprendi a ler os rótulos de tudo o que compro. Quando olhei para o rótulo do pacote do Bongo até me ia dando uma coisinha má no meio do Pingo Doce, ao me dar conta da quantidade de açúcar só num pacotinho.

Passei a dar preferência à relação preço/qualidade.

A minha alimentação passou a ter mais produtos naturais e comecei a introduzir mais receitas vegetarianas.

Conclusão:

  • Deixei de ter enxaquecas ao fim de 2 meses
  • Deixei de ter acne constantemente e a minha pele está mais saudável
  • Deixei de ter digestões "difíceis" e azia e sinto-me sempre leve
  • Deixei de comer emocionalmente
  • Passei a ter um paladar mais apurado


Actualmente (passado um ano)?


A minha alimentação base continuou aqueles parâmetros, mas quando vou a festas, celebrações em família ou até comer fora, não me privo e como o que tenho vontade, tento que seja sem culpa (mas ainda ando a trabalhar essa parte...da culpa).

Se fizer tudo certinho, não tenho enxaquecas, mas se nesse mês abusar, tenho uma dor de cabeça que passa com um Ben-u-Ron ou com um chá de pimenta. 
Ao longo deste último ano, tive apenas duas crises mais fortes, que aconteceram depois das férias, em que abusei à grande durante duas semanas.

Percebi que este estilo de vida é um processo ou uma prática, ou seja, não é uma coisa estática. Cada dia é diferente e temos de tomar decisões que sejam benéficas. Ainda há bastantes coisas que quero pôr em prática, mas gradualmente, com o tempo hei-de conseguir.

Tento encontrar um equilíbrio e não ficar demasiado obcecada com a alimentação, o sono e o exercício. Afinal um estilo de vida saudável é para nos sentirmos bem e não presos e obcecados. 
Não sou adepta de extremismos, acho que cada um tem que levar um estilo de vida adequado a si mesmo e não a modas de dietas, de exercícios e por aí fora.

Neste último ano andei a apurar o meu estilo de vida e sinto-me bastante satisfeita com os resultados e orgulhosa da minha força de vontade!

Fontes:
Feldman A (2005) Enxaqueca - Finalmente uma saída. Editora Livros do Brasil, Lisboa. 244 pp.


quarta-feira, 6 de abril de 2016

Inspiração para pensar positivo #2


(Tradução em baixo)


"Como ser positivo

- Diz "Posso" em vez de "Não Posso"
- Sorri mais
- Sê optimista
- Lembra-te que tu tens o controlo
- Pratica a gratidão
- Esquece os arrependimentos
- Faz coisas amáveis pelos outros"

Podem ver mais detalhes no link da foto!

terça-feira, 5 de abril de 2016

Sugestão dos leitores #1 + Nova página


Lancei o desafio, e vocês não me desiludiram. Aliás, não só me enviaram sugestões de pensamento positivo como enviaram também fotos e testemunhos de como este blog vos inspirou, imagens relacionadas com os posts do blog e até sugestões de hábitos a praticar. Vocês são os maiores!

Fiquei tão contente, que resolvi criar uma página para vocês "O Cantinho dos Leitores", que vai passar a estar aqui em cima.

Nesta nova página vão estar os links dos posts que foram sugeridos por vocês, testemunhos de como este blog vos inspirou... e por aí fora.

É tudo graças a vocês.

Obrigada!

E aqui fica a primeira imagem que recebi da Helena Ribeiro relacionada com o post de ontem






segunda-feira, 4 de abril de 2016

Dica para pensar positivo #1: Muda a tua perspectiva



"Algumas pessoas reparam nas coisas belas, nas pessoas interessantes, outras nos caixotes de lixo, nos defeitos, nas imperfeições.
Dominique Loreau, A Arte da Simplicidade 


É a velha história de ver o copo meio vazio ou meio cheio. Nada é positivo ou negativo por si só, é o nosso pensamento que assim o determina.
Quantas vezes aconteceram situações na nossa vida em que achámos que não podia ser pior, para apenas passados alguns anos percebermos que foi a melhor coisa que nos podia ter acontecido.

Até as árvores necessitam do frio rigoroso do Inverno para darem flores e frutos na Primavera e Verão.

A dica de hoje é uma sugestão para alterarem o vosso modo de pensar. É algo que requer algum treino mental, mas é muito engraçado quando começamos a ver a vida com outros olhos.




sexta-feira, 1 de abril de 2016

Inspiração para pensar positivo #1 + Desafio

Começa hoje o mês do pensamento positivo!!!

Para vos inspirar deixo-vos um vídeo que além de ser um exemplo de pensamento positivo é uma lição de vida.

Conheci a história do Bernardo Pinto Coelho, através do programa Alta Definição e sempre achei que era uma história que todos deviam conhecer.
Este vídeo foi muito partilhado, até pelo Cristiano Ronaldo, mas como conheço pessoas que ainda não viram, decidi colocá-lo como a primeira inspiração para pensar positivo. Vale a pena ver e rever.



Desafio

Deixo-vos um desafio que é mais um convite. Partilhem exemplos de pensamento positivo, podem ser imagens; vídeos; técnicas que já utilizem para pensar positivo... O que quiserem. 
Deixem as vossas sugestões nos comentários do blog, enviem por e-mail ou partilhem na página do Facebook. Podem partilhar sempre que quiserem, não tem limite de validade!
As melhores sugestões serão publicadas aqui no blog.

Respirem fundo, vamos lá pensar positivo!