sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Oil pulling: Conclusão



Como correu o mês do oil pulling?


A prática deste hábito correu muito bem. Consegui praticar todos os dias do mês (30 dias) e já é um hábito perfeitamente integrado nas minhas manhãs.

Fiquei bastante contente por ter a companhia de muitos de vocês, até os meus pais andam a praticar oil pulling. Podem pensar que não é nada de mais, mas tendo em conta que já estão perto dos 80 anos e continuam a ter este espírito de aventura, enche-me o peito.

Durante este mês contei-vos como correu o oil pulling semanalmente (semana 1, 2 e 3) desde o primeiro dia. Contei-vos o que senti e os resultados que observei durante o mês. Até vos ensinei uma técnica para saberem se têm mau hálito sem perguntar a ninguém.



A minha opinião sobre oil pulling após praticá-lo


Ao contrário do que vinha sendo hábito por aqui, este foi o primeiro hábito não relacionado com o desenvolvimento pessoal. Foi uma espécie de lufada de ar fresco...literalmente.

Gostei muito de praticar este hábito com a vossa companhia, e consegui observar os seguintes resultados:

  • controlo da placa bacteriana;
  • sensação de boca fresca e limpa ao longo do dia;
  • dentes mais brancos;
  • prevenção de lesões no interior a boca.



Vou continuar a praticar oil pulling?


Quando comecei a praticar não encontrei indicações se era um hábito para continuar passados os 30 dias, ou se era melhor fazer uma pausa e retomar mais tarde. Fui então perguntar à Francisca do blog Miss Kale, onde vi esta técnica pela primeira vez. Ela respondeu que segundo a medicina ayurveda, é uma prática que deve ser feita todos os dias como tomar banho ou lavar os dentes. Ela própria já o pratica há alguns anos e está bastante satisfeita.

Assim sendo, e como estou bastante contente com os resultados até agora, o oil pulling veio para ficar. Vou continuar a bochechar óleo de coco, todos os dias em jejum, durante 10 minutos.



Para quem não conseguiu praticar este mês, está sempre a tempo de o fazer. Para quem já anda a praticar, querem partilhar os vossos resultados?




segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Escrever um diário







O hábito que vou praticar em Outubro é escrever um diário.

Para muitos um diário é coisa de adolescentes que escrevem sobre aquele miúdo muito giro lá da escola. No entanto, nos Estados Unidos existe um verdadeiro culto de escrever um diário, journaling como eles lhe chamam.

Podem escrever-se diários de várias coisas como gratidão, viagens, sentimentos, crescimento dos filhos. As hipóteses são infindáveis.

Durante a minha vida fui escrevendo aleatoriamente aqui e ali, tive alguns diários quando era adolescente (lá está) e escrevia sobretudo sobre o que sentia e pensava sobre determinadas coisas. Já em adulta, escrevia quando precisava de desabafar e tenho esses desabafos dispersos no meio das minhas agendas.



Porquê agora?


Há poucos dias, quando fui levar o André ao primeiro dia de aulas, passei o dia todo com um nó na garganta a pensar "Como é que ainda ontem o fui levar ao 1º dia do Jardim de Infância e hoje já vai para o 1º dia do 4º ano?". Andei ali uns dias com um aperto no peito.

Sinto o tempo a escorregar-me por entre os dedos e o diário é uma forma de registar os meus dias, de sentir que estou realmente a viver e não que a vida está a passar por mim em fast forward. É uma forma de pegar em pequenos momentos e torná-los imortais, como uma fotografia.



Porquê manter um diário?


  • Permite pegar em pensamentos confusos e destilá-los em linguagem precisa

Quando temos uma conversa sobre um assunto qualquer, temos de encontrar uma linguagem específica para os nossos pensamentos.

Quanto mais escrevermos no diário, maior precisão de pensamento construímos. O que vai trazer alguma clareza para a nossa vida. Com maior clareza, podemos fazer novas escolhas necessárias para criar novas mudanças.


  • Permite ter um lugar para processar emoções não resolvidas
Existem muitas pessoas que têm uma grande quantidade de raiva não resolvida dentro de si, bem como muita bagagem emocional latente. Estas emoções não resolvidas afectam as nossas escolhas diárias, mesmo que não estejamos conscientes disso.

Muitas pessoas actuam de modo exageradamente agressivo ou doloroso, culpando outra pessoa, em vez de assumirem responsabilidade pessoal e investigarem as razões profundas do motivo que as leva a ter esse comportamento.

Ao escrever no diário, permite-nos processar a nossa raiva não resolvida, tristeza ou mágoa que podemos estar a guardar dentro de nós. Isto vai libertar-nos e permite-nos fazer escolhas melhores, seja a nível pessoal ou profissional. Além de aumentar a nossa criatividade, porque deixamos de estar presos ao sofrimento.


  • Permite registar os nossos sonhos

Os sonhos criam esperança. Quanto mais íntimos formos dos nossos sonhos e desejos, maior inspiração podemos trazer para os nossos dias. Vamos ter mais energia positiva que irá criar uma experiência de vida mais enriquecedora.


  • Permite aprofundar o nosso entendimento

A simples acção de escrever algo permite uma integração efectiva na aprendizagem, ou seja, quando escrevemos temos maior facilidade em apreender. 

Ao escrever no diário aprendemos com os nossos dias e a nossa vida.


  • Aprofunda o nosso compromisso

Ao escrevermos aprofundamos a nossa resolução de fazer acontecer.

Exemplo: Se tirarmos 15 minutos para escrever o dia que queremos criar e as escolhas que estamos dedicados a fazer de modo a criar um dia excelente, vai permitir sermos mais proactivos em vez de reactivos no nosso dia.


  • Permite registar o nosso progresso diário

Ao registarmos os nossos pequenos progressos naquele dia, liberta dopamina no cérebro, que é uma fonte de motivação. O resultado é sentirmo-nos mais felizes, mais fortes e inspirados.


  • Permite registar as nossas inspirações diárias

Cada dia é único e uma oportunidade de aprender mais. Quando não registamos, não aprofundamos a aprendizagem.

Ao registarmos o que aprendemos, aumentamos a nossa consciência sobre determinado assunto.


  • Permite registar a nossa gratidão diária
Esta é uma das partes mais importantes. Em vez de nos focarmos nas coisinhas irritantes (trânsito, má-educação...), focamo-nos naquilo que temos a agradecer. Tudo se transforma em benção e milagre. Experimentem que funciona.




Como vou praticar?

A partir de 1 de Outubro vou tentar escrever todos os dias no meu diário. Vou começar de modo gradual e o ponto de partida é a gratidão diária.




Conto com a vossa companhia?



Fontes:

Sharma R. Why keep a journal? Disponível em: <http://www.robinsharma.com/product-samples/pdf/The-Mastery-Manual-eBook-Sample.pdf>. Acesso em: 24/09/2016

Sharma R. How to keep a journal. Disponível em: <http://www.robinsharma.com/blog/05/how-to-keep-a-journal/>. Acesso em: 24/09/2016

 


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Semana #3: Como está a correr o oil pulling




Esta semana também consegui praticar todos os dias, já se está a tornar um hábito.

Ainda é um pouco estranho ter de dissolver o óleo na boca, mas é quase instantâneo.


Resultados:


A minha boca continua fresquinha e limpa ao longo do dia, esta é uma das melhores sensações deste hábito.

Os dentes continuam a ficar mais brancos de dia para dia, gradualmente.

A placa bacteriana continua sob controlo.

Esta semana reparei que já não fico com a boca toda ferida por causa do aparelho. Antes do oil pulling, sempre que ia activar o aparelho ficava com a boca ferida, tinha que utilizar umas ceras de silicone para evitar que aquelas zonas feridas raspassem no aparelho. Esta semana reparei que essas zonas continuam a raspar no aparelho mas já não faz ferida. Tão contente que eu fiquei.


Gostei muito dos vossos resultados a semana passada, continuem a partilhar aqui nos comentários.




quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Como construo a minha agenda ideal: Mensalmente




No outro post falei-vos sobre alguns aspectos gerais da minha agenda.

Hoje vou mostrar-vos como organizo o mês.

Não alterei muito o esquema inicial, porque funciona comigo.




No fim de cada mês, preparo o mês seguinte. Coloco todos os dias do mês e a primeira letra do dia da semana. Depois à frente coloco os meus compromissos, tarefas, aniversários... Sempre que tenho algum compromisso nesse mês coloco aqui. 
Por exemplo, as contas da água, electricidade e gás, coloco que tenho de pagar dois ou três dias antes da data limite de pagamento e à frente coloco logo a entidade, a referência e o montante. Assim não deixo passar o dia e não tenho que andar com as facturas atrás.

Isto permite ter o mês todo num golpe de vista e saber o que podemos marcar em cada dia.

Ao lado desta página costumo ter os objectivos que quero atingir naquele mês. Tenho dividido em 4 categorias: Pessoal, Estudar, Família e Blog. Esta secção ainda tem de ser aperfeiçoada, mas para já permite-me pensar no que quero atingir nesse mês. No fim do mês coloco:




Também é no início do mês que faço o meu quadro para registar os hábitos que ando a praticar, como já vos tinha falado aqui.




Coloco à esquerda todos os hábitos que estou a praticar e depois marco cada dia. Gosto de marcar com canetas de cor para ficar mais colorido.


Noutro post vou mostrar-vos como organizo a minha semana.

Entretanto, podem seguir o meu álbum de planners no Pinterest onde me inspiro e tem verdadeiras obras de arte.


E vocês, como organizam o vosso mês?




segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Um ano de estilo de vida mais saudável: Como mudei os meus hábitos de sono?




Noutros posts falei-vos da minha decisão de levar um estilo de vida mais saudável. Falei-vos o que mudei na minha alimentação e no meu exercício físico, ficou a faltar o que mudei em termos de sono.

Vou fazer uma confissão, esta foi a área que mais me custou a alterar, ainda hoje é o meu calcanhar de Aquiles. Sim, é verdade, actualmente custa-me mais deitar cedo todos os dias do que viver sem açúcar.



Como era antes da alteração?


Sabem aquele momento no fim do dia em que só vos apetece sentar no sofá, depois de tudo feito e as crianças estarem a dormir (no meu caso, apenas uma criança)? Aquele momento em que nos sentamos e ahhhh, finalmente podemos descontrair e relaxar, ver séries e filmes e o que nos apetecer. 
Pois esses momentos eram a minha recompensa ao fim do dia e foi muito difícil abdicar deles.

Então as minhas noites eram assim, os serões passados no sofá a ver televisão, muitas vezes a adormecer no sofá. A ir para a cama por volta das onze e meia, meia-noite, cheia de sono, a lavar os dentes muito à pressa, porque só queria ir dormir. 

Dormi sempre bem, tirando uma ou outra noite esporádica de insónias, mas levantava-me sempre cheia de sono e dorida.

Ao fim de semana, ainda me deitava mais tarde e de manhã era um castigo para me levantar lá para as dez.



O que alterei?


Quando decidi mudar o meu estilo de vida, tive que fazer alterações drásticas naqueles hábitos. 

Segundo o livro em que me baseei para deixar de ter enxaquecas, tinha de respeitar os ciclos naturais do dia/noite. Tudo isto está ligado com o nosso equilíbrio hormonal e está muito bem explicado no livro.

O que fiz:
  • Depois das sete horas da tarde, deixei de ver televisão, computador, telemóvel, enfim, tudo o que tivesse écran. E comecei a ter o mínimo de luzes acesas a partir dessa hora. É uma forma do nosso organismo se preparar para ir dormir daí a poucas horas. 
  • Depois das sete horas havia tolerância zero a problemas, ou seja, os problemas eram resolvidos durante o dia. A partir das sete da tarde, a palavra de ordem era relaxar.
  • Jantar cedo, por volta das oito da noite ou mais cedo, e fazer uma refeição ligeira. Até aqui tudo bem porque o meu jantar já era sopa e continuei a comer sopa.
  • Deitar-me às nove da noite, ler um bocadinho com uma luz suave, apagar a luz e dormir.



O que aconteceu?


Nos primeiros tempos foi terrível. Além de me sentir uma criança pequena, sem o meu tempo de adulta no sofá, o meu sono era horrível durante a noite.
Custava-me a adormecer, acordava inúmeras vezes durante a noite e, de manhã, no momento mesmo antes de acordar, era quando estava a dormir melhor. Acordava estremunhada e cheia de sono. Só pensava "Então eu que dormia tão bem, é pior a emenda que o soneto?"

Persisti durante os três primeiros meses e à medida que o organismo se foi adaptando a estes novos hábitos de sono, tudo melhorou.



Actualmente


Continuo a seguir aqueles padrões de sono, mas deito-me um pouco antes das dez da noite, o mais tardar às dez, leio um bocadinho, apago a luz e durmo.

Só não faço isto aos fins de semana e nas férias. É a minha forma de ter algum equilíbrio.

E há alguns dias da semana em que não consigo deitar-me às dez porque acontecem imprevistos. Visitas para jantar, chego tarde a casa... São as coisas que não consigo controlar, é esporádico mas acontece.



O que mudou em mim?


Eu pensava que antes dormia bem, mas não. Eu durmo bem é agora. Além de deixar de ter as ditas crises de enxaqueca: 

  • Tenho um sono de repouso, acordo sem dores e completamente desperta;
  • Passo o dia completamente focada e concentrada, em vez do nevoeiro mental que tinha;
  • Acordo sempre cedo, naturalmente, sem despertador. Um pouco antes das 6 da manhã;
  • Chego à noite e já não estou a "morrer" sem energia para nada. Sinto-me bem e com vontade de dormir mas sem me sentir a cair para o lado.

E tem sido assim há um ano e meio. E vocês costumam deitar/levantar cedo?






sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Semana #2: Como está a correr o oil pulling




O oil pulling continua a correr muito bem, consegui praticar todos os dias.

Na semana passada como estava calor, o óleo de coco esteve líquido e por isso era só colocar na boca. Esta semana, como o tempo arrefeceu, o óleo já se encontra sólido e só depois de estar em contacto com o calor da boca é que vai ficando líquido. Já não é tão agradável de colocar na boca como a semana passada, mas também não é nada que seja assim tão difícil.



Resultados:


Continuo a sentir a boca mais fresca e limpa, mesmo depois de comer.

Já consigo ver que os dentes estão mais brancos. E como é que eu sei que não é impressão minha? Sempre tive os dois dentes caninos superiores com uma coloração diferente dos restantes, devido à posição que estavam colocados antes de usar aparelho. Mas agora essa diferença de coloração já é mínima. É claro que não estão tão brancos como se tivesse feito branqueamento químico, mas dentro da coloração natural dos dentes, estão mais brancos.

A placa bacteriana continua sob controlo, não tem proliferado e ocupado o espaço entre os dentes.


E vocês, já têm resultados para contar?








quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Como construo a minha agenda ideal




Para muitos o ano começa em Setembro, é o regresso das férias, o início das aulas e quando nos ajustamos novamente às rotinas.

Eu tenho necessidade de ter agenda, já tentei passar sem isto e o resultado é sempre caótico, esqueço-me de coisas que tenho para fazer, ando com papelinhos espalhados com datas de consultas e com a cabeça cheia de coisas que não posso esquecer e quando chega a hora... esqueço-me. Portanto, ter uma agenda é fundamental para mim. 

Após várias tentativas também percebi que sou uma pessoa de papel, coisas virtuais e aplicações não resultam comigo. Tentei o calendário do Google, tentei algumas aplicações, mas sempre que precisava de consultar ou adicionar alguma coisa na rua e não tinha net, lá vinham mais papelinhos espalhados.

Ao longo do tempo tive várias agendas, aquelas que já vêem formatadas com os dias, cadernos lisos, quadriculados... Mas, nunca tinha conseguido chegar à agenda ideal para mim. As que já vinham formatadas não tinham o que preciso, tinha de inventar e nos dias em que não escrevia nada, sentia que era um desperdício de papel.

Depois de pesquisar e fazer tentativas cheguei à minha super agenda e já utilizo este sistema há um ano e dois cadernos. Vou partilhar com vocês como construo a minha agenda e como ela resulta comigo.



Vantagens


  • Deixei de andar com papelinhos espalhados por todo o lado, tenho tudo num único sítio, escrito no devido lugar;
  • Deixei de procrastinar;
  • Deixei de me esquecer de compromissos, reuniões e tarefas a fazer;
  • Só utilizo o espaço que preciso, poupo papel e está tudo arrumado como quero;
  • Permite-me planear o menu semanal;
  • Permite-me colocar o dinheiro que gasto cada dia, quando não utilizo o cartão multibanco;
  • Comecei a definir objectivos mensais, semanais e diários;
  • Aumentei a minha criatividade;
  • Tenho uma desculpa para pintar com lápis de cor e escrever com letra "de primária"



Sistema


O sistema em que me baseio é o bullet journal, podem ver neste vídeo em que consiste:



Este é o sistema básico, minimalista, que todos podem fazer. Eu parti deste sistema e fui aperfeiçoando até chegar ao que gosto.



Escolha do caderno:



O caderno ideal é aquele que cabe na mala e que possa andar comigo para todo o lado.
Eu escolhi estes da Moleskine porque gosto muito que as páginas tenham pontos, em vez do tradicional pautado ou quadriculado. No entanto, podem escolher o que quiserem, porque funciona com qualquer tipo de caderno.



Canetas:


Utilizo uma caneta preta para escrever tudo, depois faço alguns apontamentos com canetas e lápis de cor para ficar mais colorido. Sempre que vou para a rua, basta-me levar o caderno e a caneta preta. Em casa, quando me apetece é que pinto, desenho e escrevo com as canetas e lápis de cor.



Índice:




Como o meu caderno não vinha com índice, reservei as duas primeiras páginas para o índice e numerei à mão todas as páginas, no canto inferior direito.
Este trabalho vale bem a pena porque sempre que quero alguma coisa específica, por exemplo a lista de compras, basta consultar o índice e vou logo para a página que quero, em vez de andar a folhear o caderno para trás e para a frente e não encontrar.



Plano anual:





O bom deste sistema é que não temos de esperar pelo início do ano para começar a nossa agenda, nem mesmo temos de esperar pelo início do mês. Começamos quando queremos.
Comecei este caderno em Junho, assim os meses do ano estão desde Junho até Maio.
É aqui que coloco os aniversários e todos os compromissos futuros, que ainda não posso colocar no mês respectivo.




Noutro post vou mostrar-vos como organizo o mês.


E vocês, utilizam agenda? Como é que se organizam?



segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Dica: Como saber se temos mau hálito




Ninguém quer ter mau hálito. Mas, como saber se temos ou não, sem perguntar aos outros nem fazer ginástica a respirar para as mãos e depois cheirar, e não cheirar nada?

Uma vez vi um documentário onde ensinavam as causas do mau hálito e mostravam um aparelho que media esse mau hálito, devido aos componentes gasosos. Por exemplo, se comessem cebola, o aparelho media que tinha mau hálito devido ao teor de enxofre presente. No fim do documentário ensinaram uma técnica muito simples para sabermos se temos mau hálito ou não, que eu vou partilhar com vocês.


Causas do mau hálito



  • Alimentos: 


Quando ficam presentes partículas dos alimentos nos dentes, aumenta a presença de bactérias e origina o mau hálito. Certos alimentos como a cebola, o alho e algumas especiarias também podem causar mau hálito, visto que, após serem digeridos, passam para a circulação, alcançam os pulmões e afectam o hálito.


  • Tabaco: 

Tende a gerar mau hálito pelo cheiro do próprio fumo que se acumula na boca, e indirectamente quando provoca doenças das gengivas.


  • Má higiene oral e da língua: 

Ao permitirem que permaneçam resíduos de alimentos contribuindo para a tal acumulação de bactérias. É aconselhado fazer uma boa higiene oral com escova e fio dentário.


  • Doenças das gengivas: 

As doenças das gengivas podem causar mau hálito e outras doenças, devem ser tratadas por um especialista. 


  • Boca seca: 

A saliva é importante para a limpeza da boca e para a remoção de partículas. Quando a boca está seca pode ocorrer o mau hálito. Não beber água suficiente e alguns medicamentos podem contribuir para uma menor produção de saliva e consequente mau hálito.


  • Infecções bucais, do nariz ou garganta: 

Também podem originar mau hálito.



Técnica muito simples para saber se temos mau hálito


No fim do documentário, o cientista ensinou uma forma muito simples de saber se temos mau hálito, sem o tal aparelho (muito caro).

Basta lamber as costas do pulso e deixar secar, depois é só cheirar e concluir se cheira bem ou não.

No caso de não vos agradar, lembrem-se que estão sempre a tempo de praticar o oil pulling que, entre outras coisas, melhora o hálito. 



Por esta não estavam à espera, digam lá.



Fontes:
CUF. Halitose. Disponível em: <https://www.saudecuf.pt/mais-saude/doencas-a-z/halitose>. Acesso em: 12/09/2016




sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Semana #1: Como está a correr o oil pulling




Esta primeira semana correu bastante bem, consegui praticar todos os dias.

À semelhança do que aconteceu no primeiro dia continua a ser uma prática muito agradável, não me custa nada.


Resultados


Reparei que ao longo do dia sinto a boca mais fresca e quando passo a língua pelos dentes sinto-os mais limpos, mesmo depois de comer.

Ainda não consigo ver se estão a ficar mais brancos, mas penso que ainda seja cedo, visto que só passou uma semana.

Já no que respeita à placa bacteriana, tem resultado bastante bem. No mês passado fiz uma limpeza com a higienista e continuo a ter o espaço entre os dentes livres de tártaro, ao contrário do que acontecia antes de praticar o oil pulling.


Sei que alguns de vocês tiveram algumas dificuldades iniciais que foram ultrapassadas. Quero saber como correu a vossa semana.







terça-feira, 6 de setembro de 2016

Dica: Como utilizar o óleo de coco na cozinha... e não só



Este mês ando a praticar oil pulling com óleo de coco. No entanto, este óleo pode ser utilizado para diversas funções, convém é utilizar um óleo de coco de boa qualidade (100% coco, biológico, extra virgem).


Propriedades do óleo de coco


  • Antioxidante

Ajuda a proteger o organismo da acção dos radicais livres e tem vitamina E e K.

  • Melhora a parte cardio-vascular

Ajuda a reduzir o colesterol LDL (o chamado mau colesterol) e a diminuir os riscos de ataque cardíaco.

  • Emagrece

Como contém triglicéridos de cadeia média, é de fácil absorção. Quando estes componentes entram no nosso organismo convertem-se em energia e não em gordura.

  • Fortalece o sistema imunológico

Devido às suas propriedades anti-bacterianas, anti-virais, anti-fúngicas e antisépticas. Além de melhorar a absorção de nutrientes, o que também aumenta as defesas do organismo.

  • Regula a função intestinal

Normaliza as funções intestinais, seja prisão de ventre ou diarreia. Além de eliminar as bactérias "más" e favorecer o crescimento das bactérias "boas" nos intestinos.

  • Melhora o funcionamento da tiróide

A gordura do óleo estimula a função da glândula tiróide.

  • Acção cosmética

Tem uma acção contínua no combate às rugas e na hidratação da pele. Além de servir para hidratar os cabelos.

  • Acção dermatológica

Possui uma substância que tem elevada acção bactericida na pele. Pode ser utilizado no tratamento de algumas doenças, cicatrizes e feridas.

  • Controlo de hidratos de carbono (Diabéticos)

Como a sua gordura proporciona uma sensação de saciedade e ajuda a não libertar insulina, contribui para diminuir o desejo por doces.




Como utilizar o óleo de coco


Além do oil pulling utilizo o óleo de coco de diversas formas, não é à toa que passei a comprar frascos de 1 litro, além de ficar mais barato, rende mais.


  • Na cozinha


Muitas vezes utilizo o óleo de coco para cozinhar como alternativa ao azeite. Em receitas com wok é o óleo que costumo utilizar.

Projectos: quero experimentar como "manteiga" para barrar no pão.


  • No cabelo


Uma vez por semana utilizo o óleo de coco no cabelo é a chamada humectação:

1. Nos dias de calor o óleo já se encontra líquido e aplico logo, nos dias mais frios quando o óleo se encontra sólido retiro uma colher de sopa de óleo e aqueço em banho-maria até ficar líquido (também podem aquecer no micro-ondas apenas alguns segundos).

2. Depois de ter o óleo líquido molho os dedos e passo o cabelo todo, mecha por mecha, e no couro cabeludo massajando um pouco, prendo o cabelo e deixo actuar por duas horas (podem deixar mais tempo, até 8 horas se quiserem).

3. Após as duas horas, lavo bem o cabelo com o champô que costumo utilizar e passo mais uma vez o champô, ou seja, passo 2 vezes o champô no cabelo para retirar bem todo o óleo. Depois passo o amaciador nas pontas.

Resultado: Diminui a queda de cabelo, o cabelo fica mais macio e brilhante, sem aquele efeito frisado. E não se preocupem que não fica nada oleoso.


  • Na pele


Quando utilizo no cabelo, aproveito e ponho também na cara como se fosse creme hidratante. Resulta bastante bem já que fico com a pele hidratada, parece que fica com mais elasticidade e reduz as manchas.

Projectos: 
- Utilizo óleo de amêndoas doces para limpar a pele do rosto antes do banho e hidratar a pele do corpo depois do banho, mas hei-de experimentar o óleo de coco. 
- Quando tiver alguma ferida ou borbulha também quero experimentar. 
- Quero experimentar como anti-olheiras


E vocês costumam usar óleo de coco, têm dicas especiais?


Fontes:
Dicas de saúde. Os 10 benefícios do óleo de coco virgem para a saúde. Disponível em: <http://www.saudedica.com.br/os-10-beneficios-do-oleo-de-coco-virgem-para-saude/>. Acesso em: 06/09/2016

Doorman J. Os benefícios do óleo de coco para saúde e cabelosque você precisa saber. Disponível em: <http://cabelosderainha.com.br/os-beneficios-do-oleo-de-coco-para-saude-e-cabelos-que-voce-precisa-saber/>. Acesso em: 06/09/2016

Mundo dos óleos. Óleo de coco - 10 motivos para consumir óleo de coco extra virgem. Disponível em: <http://www.mundodosoleos.com/oleodecoco10motivos/>. Acesso em: 06/09/2016






quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Oil pulling: dia #1



Comecei hoje o oil pulling!

Eu nem sou muito apreciadora do sabor do coco e estava com algum receio de pôr o óleo na boca em jejum e não gostar. Mas não foi nada disso, foi uma bela surpresa, é um sabor bastante agradável e só se sente no início do bochechar e no fim quando se deita o óleo fora.

Não é nada difícil bochechar durante 10 minutos, porque ando ocupada a fazer outras coisas e passa num instante.

Depois de deitar o óleo fora e lavar os dentes, fiquei com a boca mesmo fresquinha, a sério, ainda agora sinto os dentes limpinhos e já passaram 5 horas.

E vocês, já bochecharam hoje?