segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Escrever um diário: conclusão




Como vem sendo hábito, quando chego ao fim do mês partilho convosco a minha conclusão sobre o hábito que pratiquei durante esse mês.

Em Outubro andei a construir um diário e muitos de vocês acompanharam-me nesta jornada e estão a escrever o vosso próprio diário. Nunca me hei-de cansar de mostrar a minha gratidão pela vossa companhia.



Como correu a construção do meu diário?


Como tirei alguns dias para carregar baterias, não vos acompanhei tanto quanto gostaria, nem escrevi todos os dias no meu diário. No entanto, tenho progredido bastante desde que comprei um simples caderno preto.

Comecei por escrever a minha gratidão e verifiquei que todos os dias surgem coisas novas para agradecer. Parece uma série de pequenas dádivas que vão aumentando de dia para dia. Até agora, ao escrever isto, fico pasmada com a quantidade de pequenas/grandes bênçãos que tenho nos meus dias e na minha vida, que me passavam completamente ao lado antes de as escrever e sentir essa gratidão no meu interior.

Acrescentei o que aprendi ou o que me inspirou em cada dia e achei curioso o facto de andar a processar informação durante vários dias. Por exemplo, ao ver um vídeo inspirador escrevo sobre o que aprendi nesse dia. No entanto, acontece-me continuar a processar o que vi e a ter mais coisas a acrescentar nos dias seguintes e sempre que me lembro desse vídeo.

Entretanto, fui fazendo colagens de pequenas recordações do meu dia-a-dia, uma parte da embalagem de um chá que bebi numa tarde numa esplanada à beira rio. Imagens de viagens de carro que fiz durante este mês. Pequenos papéis de artesãos de uma feira medieval... E cada vez que folheio o meu diário, praticamente todos os dias, ao ver estas recordações surgem-me as emoções e os sentimentos que senti naquele momento.

Sempre que precisei de processar emoções, sentimentos e pensamentos escrevi livremente e esta é uma das coisas que me dá mais prazer no meu diário. Sem nada premeditado, escrevo sobre o que sinto e penso e isso leva-me por caminhos que nunca imaginaria antes de começar a escrever e permite-me aprender e tomar conclusões que não conseguiria fazer de outra forma. Além de me permitir ver tudo mais claro.

Também acrescentei pequenos diálogos que vou tendo com o André e que acho piada, ou coisas que ele faz. Sabem aquele sentimento, quando nos juntamos em família e os nossos pais ou irmãos contam coisas que dizíamos e fazíamos quando éramos pequenos? Eu quero ter isso do André. Desde que ele nasceu que tenho essas coisas dispersas nas minhas agendas, mas agora têm lugar marcado no meu diário.



A minha opinião sobre escrever um diário, após praticar?


Este foi um hábito que queria praticar há muito tempo, e agora que estou a construir o meu diário, estou a adorar a experiência.
São raros os dias em que não leio o que escrevi, que não vejo as imagens que colei. Proporciona-me momentos de reflexão, prazer, alegria, aprendizagem, gratidão, inspiração e tantas outras coisas.



Vou continuar a escrever no meu diário?


Sem dúvida nenhuma. Tenho a visão que partilhei convosco e vou continuar a acrescentar coisas que quero "gravar" na minha vida.



E vocês, têm vontade de iniciar/continuar o vosso próprio diário?






sábado, 29 de outubro de 2016

Inspiração para escreveres o teu próprio diário


No vídeo que se segue, está a visão que eu quero para o meu diário. Não é propriamente o que ele diz sobre escrever um diário, que é importante, é a forma apaixonada como fala sobre este assunto que dá vontade de ter uma montanha de diários.

A tradução possível logo a seguir.




"Olá, é o Robin Sharma, bem-vindo a esta sessão.

Esta sessão chama-se 'Desconstrução do diário'.

Estes dias ando tão fascinado a desconstruir as peças principais dos meus pensamentos, da minha vida, das minhas observações, que quero realmente que penses nesta palavra 'desconstrução'.

Se geres um negócio pergunta-te a ti mesmo 'Como posso desconstruir o sucesso do meu negócio?'.
Se és um atleta profissional (...) pergunta-te a ti mesmo 'Como posso desconstruir a melhor performance que tive este ano?'. 
Se és um professor, pergunta-te a ti próprio 'No meu melhor dia em frente à minha turma, deixa-me desconstruir o que fiz, o que comi, o que pensei, como me comportei para ter esse resultado?'
Quanto mais desconstruires as coisas...
Se fores a uma conferência e disseres 'Uau, foi fantástica', desconstrói porque foi tão fantástica. Porque com maior clareza, podes fazer mais disso.

Espero estar a fazer sentido, mas é esta a ideia... Eu quero que penses sobre desconstruir as coisas que resultam para ti e depois desconstruir as coisas que não resultam para ti.
Digamos que fizeste uma apresentação no escritório para os teus colegas e não correu muito bem. Não faz mal, falhar é o preço de ser lendário. Mas, queres aprender mais sobre isto. Um falhanço é apenas um falhanço se permitires que se torne um falhanço em vez do ponto de partida para o teu melhor... Então se a apresentação não correu bem, deves tirar tempo para reflectir profundamente, ou meditar ou escrever no diário para desconstruir o que aconteceu e para envolveres as tuas células cerebrais no que queres fazer da próxima vez.

O que realmente me traz a esta sessão: Desconstrução do diário.

Tu sabes (...) o quanto eu acredito na ferramenta de escrever no diário. Muito disto vem de um livro que eu li em tempos chamado 'The Artist's Way', que foi um livro muito popular há alguns anos, e ela fala sobre páginas matinais. Julia Cameron é a autora desse livro para dar os créditos devidos ao seu trabalho.
Então criei este ritual todas as manhãs, sim às 5 da manhã, ou algures entre as 5 e as 6 da manhã, em que estou a escrever. Ou num avião que descola. (...) tenho o meu diário e começo a escrever. Esta é uma dica para aqueles que costumam viajar muito de avião (...).

Desconstrui o acto de escrever no diário em 7 passos chave ou 7 razões principais para escrever um diário, com grande humildade e com grande paixão... porque vou realmente desafiar-te, com todo o respeito, a instalar este hábito de escrever no diário. Então, vou partilhar estas 7 razões porque te encorajo a escrever um diário e esta é a minha desconstrução.


1. Escrever um diário organiza os teus pensamentos.

A primeira razão para escreveres no diário e a razão mais importante, é que organiza o teu pensamento.

Se perguntares à maioria das pessoas (...) 'Quais são as tuas 5 principais visões' ou 'Quais são os teus 5 principais objectivos para este ano?' ou 'Como queres que a tua vida seja?' ou 'Quais são as 5 coisas que te fazem mais feliz?' ou 'Quais são as 3 comidas que alimentam a tua energia?' ou 'Quais são as 7 pessoas que mais gostavas de conhecer para passares o nível em que jogas e poderes apoderar-te do teu nicho de trabalho?'. Elas vão responder 'Hmmm, é uma óptima questão. Eu não sei.'
O ponto é simplesmente este: Pensamentos vagos conduzem a produção vaga. Vou dizer novamente porque é tão importante: Pensamentos vagos conduzem a produção vaga. Então a clareza traz mestria.

Assim a primeira razão para escrever no diário é escrever sobre o teu dia, escrever sobre as tuas ambições, escrever sobre o que acabaste de aprender com aquela grande conversa... Eu tive uma conversa inspiradora com um amigo há uns dias e depois disso sentei-me, por provavelmente 3 horas, com o meu diário preto e escrevi. Eu penso que foram 23 pontos de aprendizagem que recebi dessa conversa inspiradora. Isso organiza o meu pensamento e traz grandes níveis de clareza. Com melhor clareza podes tomar melhores decisões na tua vida profissional e pessoal. E com melhores decisões vais ver melhores escolhas.

Então a primeira razão porque te encorajo a escrever no diário é organizar o teu pensamento.


2. Escrever no diário alimenta a esperança

A segunda razão é que alimenta a esperança.

Podes estar a passar por tempos muito dolorosos, podes ter perdido um ente querido, podes ter perdido o trabalho, podes estar a enfrentar um dos muitos inevitáveis desapontamentos da vida, a adversidade é uma oportunidade para ser melhor.
Assim, talvez estejas a sofrer agora e ao escrever no diário sobre o que queres que aconteça... Eu chamo-lhe um modelo pré-performance... Escreve 'Isto é o que eu quero que aconteça na minha vida amorosa'; 'Isto é o que eu quero que aconteça na minha saúde', 'Perdi aquela oportunidade de trabalho/promoção, isto é o que eu quero que aconteça'.
A própria natureza vai começar a treinar o teu cérebro para algo maior... e melhor... e mais elevado... e mais bonito. E ao fazeres isto estimulas a tua confiança e enches-te de inspiração e esperança.

E tu sabes isto, a confiança é o que realmente nos move. As pessoas dizem que é ser brilhante, mas eu conheço muitos bilionários que não são as pessoas mais brilhantes da sala, e digo isto com todo o respeito, mas são os mais confiantes.
Dêem-me persistência em vez de inteligência... sempre. São os que têm fome que vencem e não necessariamente os mais talentosos.

Então a segunda razão para escrever o diário é que vai encher-te de esperança.


3. Escrever no diário permite-te repetir e reviver as tuas experiências favoritas

Eu estive em Barcelona há um mês aproximadamente. Estive com o meu grupo icónico, é um grupo exclusivo, pequeno, de alguns empreendedores e titãs da indústria, a que eu faço coaching. Então, estávamos num dos dois dias de sessão em Barcelona, como costumamos fazer frequentemente e eu levei-os ao meu restaurante preferido daquela cidade. Levei-os a um sítio (e vocês têm de comer neste sítio, por favor, antes de terminarem a vossa vida) chama-se Cal Xim e é num sítio que se chama Panadés que é a quarenta ou quarenta e cinco minutos da maravilhosa cidade de Barcelona. E em Panadés produzem Cava que é o equivalente espanhol do champanhe (...).
E quando conduzíamos, eu e os meus ícones, o sol estava a pôr-se e havia uma brisa suave a dançar por entre as árvores desta pequena vila e o dono do restaurante estava cá fora e as suas duas crianças estavam a brincar. Ele deu-me um grande abraço, como os catalães dão, e fomos para o andar de baixo (...) e tivemos uma refeição épica... e a comida foi mágica... e a experiência com os meus membros icónicos foi inesquecível.
Na manhã seguinte acordei em Barcelona e escrevi sobre isso no meu diário. Escrevi sobre isso para deixar que a experiência infundisse o meu coração, não só a minha mente, mas o meu coração. Eu queria assimilar o que eu experienciei naquele restaurante ao nível do coração, ao nível emocional e visceral para se tornar um saber sentido no meu corpo. Sim eu sou apaixonado por boa comida e sim eu sou apaixonado por aquele restaurante... Claro que não ganho nada em partilhá-lo.

A tua vida é especial mesmo que atravesses um período difícil. Ao escreveres no teu diário sobre as coisas boas da tua vida, as bênçãos, o pôr-do-sol, as boas refeições, os teus restaurantes preferidos, aquele livro maravilhoso que acabaste de ler, aquela conversa que acabaste de ter na paragem de autocarro ou com o condutor de táxi, vai permitir-te reviver a experiência. E podes fazer isso em qualquer altura que queiras reviver aquela experiência e sentir os mesmos sentimentos.

Se fizeres isto, vais passar a viver a vida quase como um milagre. Cada dia torna-se este milagre inacreditável.


4. Escrever no diário imprime gratidão incondicional

A gratidão é um músculo. Vou repetir novamente porque é tão importante 'a gratidão é um músculo'. Quanto mais fores ao ginásio de enumerares as tuas bênçãos, mais forte fica o músculo da gratidão interna.

Podes dizer 'Sabes Robin, tu ensinas liderança aos afortunados, tu ensinas um desempenho de topo a atletas de elite, porque estás a falar sobre gratidão?'.
Se olhares para o trabalho dos psicólogos mais conceituados, eles usam o termo: gratidão intencional. E o que eles descobriram foi que as pessoas mais felizes são aquelas que reservam algum tempo para celebrar intencionalmente a gratidão. E as pessoas felizes fazem grandes coisas, as pessoas felizes são as mais criativas, as pessoas felizes são as menos tóxicas, as pessoas felizes são as melhores empreendedoras ou líderes de equipa dentro das organizações, as pessoas felizes têm aquela 'fricção' (grit - termo da Angela Lee Duckworth, para aquele sentimento das pessoas que mais fazem).

Então a questão é todos os dias colocares no teu diário... tirares tempo para registar 'dez coisas que são as maiores da minha vida', 'dez coisas que adorava focar-me'.
Sabes pode ser 'eu tenho duas pernas', se és abençoado em ter duas pernas. Pode ser 'eu tenho boa visão', num mundo em que muitas pessoas sofrem de glaucoma. Pode ser teres um rendimento, num mundo onde uma grande percentagem de pessoas vive com dois dólares por dia. Se tens comida na tua barriga, és um ser humano abençoado. Se tens um tecto sobre a tua cabeça, és uma pessoa muito afortunada.
O termo psicológico 'adaptação hedónica'... Sabes tens um carro novo e adoras o carro novo até se tornar o teu normal. Compras uma casa ou tens um tecto sobre a tua cabeça se fores sem-abrigo e tomas isso como garantido, é a adaptação hedónica. É um instinto de sobrevivência que temos para lutar. E como lutas contra tomares as coisas por garantidas, a adaptação hedónica... é transmitires gratidão.

Eu estou a escrever, quase todos os dias no meu diário, sobre o que estou grato. Os meus entes queridos, eu tenho uma família extraordinária, que eu adoro. Eu sou abençoado por fazer estes podcasts, sou abençoado em fazer estas sessões que são úteis a tantas pessoas. Eu sou abençoado por ser uma influência no facebook para milhões de pessoas que visitam a minha página todos os dias. Sou abençoado por ter uma óptima saúde. Sou abençoado por fazer o trabalho que amo. Sou abençoado por comer óptima comida que me faz feliz. Sou abençoado por ter uma casa cheia de livros, uma casa cheia de grande material de aprendizagem... E uma casa que te inspira, é uma casa bonita, mesmo que seja apenas um apartamento com apenas um quarto (...).
Sabes, existe uma imagem que vi no outro dia, de uns estudantes africanos que estão a ler debaixo dos candeeiros da rua... Sabes, eles não têm electricidade nas suas casas, então eles juntam-se todos ao serão por baixo dos candeeiros de rua... na rua, para poderem ler... É o quanto eles querem aprender. Isso comove-me, mesmo estando a partilhar isto contigo hoje.
E provavelmente estás num sítio onde tens electricidade na tua casa e podes ler todas as noites, tiras o tempo para o celebrar?

Escrever no diário é uma óptima forma de te focares em todas as bênçãos. E imagina que tomas estas coisas e realmente as aprecias visceralmente... Ia ser tão significativo para ti e ias sentir-te tão diferente mesmo que estejas a passar por um momento de desapontamento na tua vida.


5. Escrever no diário ajuda-te a processar e libertar as emoções de baixa energia

Se estás a passar por um daqueles momentos difíceis e que são inevitáveis. A vida é uma série de estações e vais ter momentos no topo da montanha e vais ter momentos no vale.

Eu passei por momentos que nem podes imaginar. Passei por momentos em que fui atacado, onde as pessoas tentavam derrubar-me, onde uma pessoa muito próxima lhe chamava uma história de horror (...) e eu perseverei durante esses tempos difíceis a fazer o que podia humanamente para abrir o meu coração, para me ensinar o perdão, para me ensinar a fé, para me ensinar o amor... Para compreender que os meus 'inimigos' (e eu não tenho inimigos), aquelas pessoas que tentaram magoar-me e destruir-me, estavam também a ajudar-me a tornar-me um ser humano mais profundo, mais forte e mais ágil que é ainda mais útil para ti. Faz-me pensar naquele fabuloso provérbio mexicano 'Eles tentaram enterrar-nos, eles não sabiam que éramos sementes'.
E durante os meus tempos na escuridão, quando estava perdido e magoado, onde as pessoas tentaram destruir-me, uma das coisas que me salvou foi o meu diário. Alguns dias escrevia durante horas e processava a mágoa e processava o desapontamento e escrevia sobre a minha confusão.

Esta é a chave, e qualquer grande psicólogo te dirá, e qualquer grande filósofo te dirá, se não libertares e substituíres a dor, o desapontamento e a raiva pelo perdão, a liberdade e o amor, vais suprimir e reprimir essas emoções de baixa energia... E se fizeres isso vais ser amargo dez anos mais tarde, se fizeres isso nunca vais perdoar, se fizeres isso vais levar as pessoas que tentaram destruir-te contigo para o resto da tua vida. Não vais ser criativo, não vais ser produtivo, não vais estar 'em fogo', não vais ser um mestre no teu ofício porque estás preso no que aconteceu há anos atrás.

E escrever no diário é uma ferramenta fantástica para avançares durante esses tempos difíceis, quer durem uma semana, quer durem cinco anos ou quer durem uma década. Nelson Mandela esteve em Robben Island durante 27 anos, queres falar de heróis?


6. Aprendizagem exponencialmente sustentável

Ao escreveres o que aprendeste no teu diário, aceleras dramaticamente a aprendizagem, a efectividade e a sustentabilidade do que aprendeste.

Então se estiveste agora numa grande conferência, ou estiveste num óptimo curso online, ou acabaste de ler um grande livro... Digamos que tiveste uma óptima conversa com o teu mentor ou com um estranho durante o almoço, durante uma chávena de chá... Antes de ir dormir agarra no teu diário e escreve 'Isto foi o que aprendi', 'Aqui estão os sete pontos', 'Aqui estão os cinquenta pontos'. Isso vai calibrar as tuas inspirações. Porquê? Vai tornar-se profundo no teu pensamento, vai ficar dentro de ti e, como sabes, são as tuas crenças que conduzem o teu comportamento. O teu rendimento e o teu impacto reflectem sempre a tua auto-identidade. Assim, ao aprenderes e integrares a aprendizagem para te tornares esta força da natureza e este ser humano de mais valor, vais corresponder no teu nicho de trabalho, vais corresponder na paixão, vais corresponder na energia, vais corresponder na excelência pelo que vais tornar-te imparável no teu ofício, no que escolheste fazer.

Espero que estejas a gostar desta sessão. Eu estou cheio de paixão, obviamente. Eu adoro escrever no diário e quero que tu também o faças, que experiencies, para que tenhas os benefícios na tua vida, que é o meu grande desejo para ti.


7. Escrever no diário permite-te registar a tua vida notável

Não existem pessoas extra hoje no planeta. Não interessa se és bilionário, um varredor de ruas, um chef, um realizador, um carpinteiro, um funcionário, um astronauta ou um cientista... Foste construído para a excepcionalidade. E a tua vida é colorida, a tua vida é suposto ser rica, é suposto ser bela e os tempos difíceis vão servir-te... Os tempos difíceis, os tempos de dor e frustração constroem o teu carácter, tornam-te mais receptivo, aprofundam-te, trazem mais textura, beleza e sabor para a tua vida, se decidires abraçá-los desse modo.

E vai haver momentos em que estás no topo da montanha, guarda-os, são tempos gloriosos que te são destinados. Mas, escreve tudo isso... Escrever os teus diários é a tua autobiografia e espero que chegues ao fim da tua vida e talvez tenhas 127 anos de idade e olhes para esse monte de diários e vás relê-los e leias sobre as tuas aprendizagens, leias sobre as tuas lições, leias sobre o que deste, leias sobre os teus percursos, leias sobre as tuas vitórias, leias sobre quem influenciaste, as pessoas que amas, as pessoas que inspiraste, os tempos de confusão e um sorriso surge no teu rosto porque te apercebes que viveste a vida de uma forma bela e significativa. Eu realmente espero que na última hora do teu último dia, enquanto folheias os teus diários, rodeado daqueles que te amam, seja o que te surge na mente e no coração.

Muito obrigado por estares comigo."





quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Parar para poder avançar




Estive uns tempos ausente como repararam, mas já estou de volta. 
Quero agradecer as vossas mensagens de apoio e encorajamento, é o melhor de tudo.

De vez em quando sinto necessidade de abrandar, ou mesmo parar, para conseguir avançar. Tenho necessidade de sair da rotina, das obrigações, das tarefas, das redes sociais e até do blog. Este tempo de pausa permite-me um momento de introspecção para perceber o caminho que percorri e o caminho que quero percorrer. É um meio que tenho de atingir algum equilíbrio.
Se andar sempre no meio da minha rotina diária, sou engolida por tantas obrigações, tarefas e horários a cumprir e perco o foco e escapa-me o essencial.

Quando tiro algum tempo para sair da rotina, simplifico a minha vida. Deixo de fazer o que já não faz sentido e reforço o que me faz bem. Estes dias permiti-me não ter horários, comer o que me apeteceu, ir dormir quando me apeteceu, não fazer exercício, não praticar os hábitos que costumo praticar.

Foi uma pausa para perceber como quero que seja a minha vida e o meu dia-a-dia. Manter o que me faz bem e deixar o que já não faz sentido. Também percebi que não quero publicar posts só para dizer que mantenho a frequência de postagens aqui no blog. Quero escrever aqui quando me sinto inspirada e não vir "encher chouriços".

Percebi que todos os hábitos que tenho praticado desde o início, me fazem muito bem e que o meu estilo de vida saudável ajuda-me a ser saudável, enérgica e bem disposta. Mesmo que faça uma pausa de tudo isto durante uns dias, é bom retomar tudo aquilo que gosto de fazer e parece que encontro prazer redobrado quando volto.

Agora que estou de volta, já ando a preparar uma inspiração para escreverem o vosso próprio diário. Conto-vos tudo no próximo post.



E vocês, também sentem necessidade de abrandar de vez em quando? 





segunda-feira, 10 de outubro de 2016

O que vou acrescentar ao meu diário esta semana #2




A semana passada comecei a escrever sobre o que queria agradecer em cada dia. Esta semana, além da gratidão vou escrever o que aprendi ou o que me inspirou em cada dia.

Nos tempos que correm temos acesso quase ilimitado a informação, seja através da internet, livros, conversas e por aí fora. Mas, no meio de tanta informação, dou por mim a não conseguir apreender tanta coisa. Já para não falar do facto de que vejo coisas que me inspiram e acabo por me esquecer delas.

Assim, todos os dias vou registar no meu diário o que aprendi naquele dia, por palavras minhas, para apreender melhor o significado e vou registar as inspirações desse dia, seja uma citação, uma frase de algum livro, uma história que ouvi...



E vocês, têm cabeça para tanta informação?




sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Semana #1: Como está a correr o meu diário




A primeira semana correu muito bem, consegui escrever todos os dias.

Antes de começar este diário, sentia-me grata mentalmente em pequenos momentos do meu dia. Após a meditação, quando as coisas aconteciam e antes de adormecer. Agora, continuo a fazer tudo aquilo, mas antes de dormir escrevo.

A ideia que eu tinha quando agradecia apenas mentalmente era que estava sempre a agradecer as mesmas coisas. Mas ao ler estes 6 dias vi que é sempre diferente, pequenas coisas que fizeram diferença naquele dia.

Também reparei que existem coisas que acontecem todos os dias, mas só as sentimos lá no fundo às vezes. Por exemplo, durante o dia o André vem ter comigo e dá-me um xi-coração ou um beijinho, espontaneamente. Eu sinto-me grata por isto, claro, mas há dias em que este beijinho ou este xi-coração tocam cá no fundo e agradeço no meu diário.

Estou a gostar muito de escrever os meus pequenos momentos de gratidão e quando releio os dias anteriores sou novamente transportada para esses momentos, como se estivesse lá novamente a sentir tudo.


E vocês, costumam agradecer?



quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Sete benefícios da gratidão (cientificamente comprovados)




Este mês ando a construir um diário. E o primeiro "tijolo" é a gratidão. Escrever sobre as coisas por que nos sentimos gratos, mas quais os benefícios? Se alguém precisava de motivos, aqui estão eles:



1. Ajuda-nos a fazer novos amigos


De acordo com um estudo de 2014, publicado na revista Emotion, mostrar apreciação pode ajudar-nos a fazer novos amigos. Este estudo indica que agradecer a quem acabámos de conhecer, torna-os mais predispostos a procurar um relacionamento contínuo. Ao reconhecer o contributo de outras pessoas pode levar a novas oportunidades de relacionamentos.



2. Melhora a saúde física


As pessoas gratas experienciam menos dores e queixas e mostram sentir-se mais saudáveis do que as outras, de acordo com um estudo de 2012 publicado em Personality and Individual Differences. Segundo este estudo, as pessoas gratas são mais propensas a cuidarem da própria saúde. Fazem exercício mais frequentemente e realizam os exames médicos de rotina, o que contribui para uma maior longevidade.



3. Melhora a saúde psicológica


A gratidão reduz inúmeras emoções tóxicas, como raiva, inveja, ressentimento, frustração e arrependimento. 
Um dos investigadores principais deste tema, Dr. Robert A. Emmons, conduziu múltiplos estudos que relacionam a gratidão com o bem-estar. A sua pesquisa confirma que a gratidão aumenta efectivamente a felicidade e reduz a depressão. 



4. Melhora a empatia e reduz a agressividade


As pessoas gratas são mais propensas a comportarem-se melhor em sociedade, mesmo quando os outros são menos simpáticos, de acordo com um estudo de 2012 da Universidade do Kentucky. Os participantes do estudo que revelaram maior gratidão eram menos propensos a retaliar contra outras pessoas, mesmo perante um feedback negativo. Experienciavam, também, mais sensibilidade e empatia em relação aos outros e um menor desejo de vingança.



5. Ajuda a dormir melhor


Escrever um diário de gratidão melhora o sono, de acordo com um estudo de 2011 publicado em Applied Psychology: Health and Well-Being. Passar apenas 15 minutos a anotar alguns sentimentos de gratidão antes de dormir, ajuda a dormir mais e melhor. 



6. Melhora a auto-estima


Um estudo de 2014 publicado em Journal of Applied Sport Psychology indica que a gratidão aumenta a auto-estima dos atletas que é uma componente essencial para um desempenho óptimo. Outros estudos mostraram que a gratidão reduz as comparações sociais. Em vez de se tornarem ressentidas perante pessoas que têm mais dinheiro e melhores empregos (que são uns dos factores principais para uma baixa auto-estima), as pessoas gratas são capazes de apreciar as conquistas dos outros.



7. Aumenta a força mental


Durante anos, a pesquisa demonstrou que a gratidão não só reduz o stress, como também desempenha um papel principal para ultrapassar um trauma. Um estudo de 2006 publicado em Behavior Research and Therapy mostrou que os veteranos da guerra do Vietname com maiores níveis de gratidão mostravam menos níveis de Perturbação de Stress Pós-Traumático. Já um estudo de 2003 publicado em Journal of Personality and Social Psychology mostrou que a gratidão contribuiu bastante para a resiliência após os ataques terroristas do 11 de Setembro. O reconhecimento de tudo o que podemos agradecer, mesmo durante os tempos mais difíceis, aumenta a resiliência.



 Fontes:

Morin A. 7 scientfically proven benefits of gratitude that will motivate you to give thanks year-round . Disponível em: <http://www.forbes.com/sites/amymorin/2014/11/23/7-scientifically-proven-benefits-of-gratitude-that-will-motivate-you-to-give-thanks-year-round/#3c32e5bb6800>. Acesso em: 05/10/2016.







segunda-feira, 3 de outubro de 2016

O meu diário: início




Comecei a escrever o meu diário no dia 1.

Após pensar bastante sobre isto, resolvi construir o diário gradualmente. Em vez de querer escrever sobre tudo ao mesmo tempo, vou acrescentando aos poucos.



Começar pelo início




A primeira coisa que estou a escrever no meu diário todos os dias é a gratidão, ou seja, todos os dias estou a escrever sobre as coisas que quero agradecer. Não é preciso ser um dia cheio de coisas extraordinárias para podermos agradecer, bastam as coisas mais simples como estarmos vivos e sentir, abraçar os nossos filhos coração com coração, dormir a sesta, ler um livro... Estão a ver a ideia?



Material


Para começar não quis nada muito complicado:
  • Comprei este caderno de capa rígida na Note! É um caderno A4 com folhas lisas.
  • Esferográfica azul. Utilizo uma bic laranja (escrita fina).

Estou a começar de forma muito simples, sem grandes floreados. 



Vamos lá agradecer?